A via-sacra com João Paulo II:

 

Na via da conversão ecológica

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Esta via-sacra foi preparada especialmente para aqueles que nutrem uma profunda admiração e amor por São João Paulo II. Estes textos são dirigidos de uma forma muito especial, a todos aqueles, e às suas comunidades, que pretendem continuar a deixar-se inspirar e desafiar pela mensagem profética deste Santo.

 

Ao longo do seu pontificado, o Papa João Paulo II, enfatizou frequentemente, nas suas pregações e ensinamentos, a gravidade da crise ambiental e a necessidade urgente por parte da Igreja, de lhe dar uma resposta de cariz moral e espiritual. Ele afirmou que “devemos encorajar e apoiar a “conversão ecológica”, que tornou a humanidade mais sensível à catástrofe para a qual se está a dirigir”. 1 Para o Santo Padre, “o tempo de penitência da quaresma, dispõe-nos a um profundo respeito pelo ambiente”2. É neste espírito que se expõe esta via-sacra com S. João Paulo II.

 

 

 

 

 

 

 

I ESTAÇÃO JESUS É CONDENADO À MORTE

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

 

 

A terra está triste, murcha, o mundo perece e desfalece, o céu e a terra esmorecem.

 

A terra está profanada pelos seus habitantes, porque transgrediram as leis, violaram os mandamentos, romperam a aliança eterna.

 

Por isso, a maldição devora a terra e os habitantes expiam a pena.” Isaías 24:4‐6

 

 

 

Meditação:

 

 

 

Sobretudo no nosso tempo, o homem devastou sem hesitações, planícies e vales cobertos de bosques, poluiu a água, deformou o habitat da terra, tornou o ar irrespirável, perturbou os sistemas hidrogeológicos e atmosféricos, desertificou espaços verdejantes, levou a cabo formas de industrialização selvagem, degradando o "canteiro" que é a terra, nossa morada.”3

 

O homem, tomado mais pelo desejo do ter e do prazer, do que pelo de ser e de crescer, consome de maneira excessiva e desordenada os recursos da terra e da sua própria vida.”4

 

O homem já não é um administrador do Criador, mas um déspota autónomo, que está finalmente a compreender que tem de parar à margem do abismo.”5

 

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus, confessamos que caímos na tentação de acreditar que podemos e devemos ter tudo: mais rendimento e conforto, um maior consumo de energia, casas e carros melhores. A nossa dependência de uma versão consumista de vida abastada, está a destruir as criaturas nossas companheiras e os ecossistemas, e a condenar as gerações futuras à desolação. Perdoa-nos, Ó Divino Criador, pelo mal que fizemos e pelo bem que deixámos de fazer. Ámen.

 

 

 

 

 

II ESTAÇÃO JESUS TOMA A SUA CRUZ

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Jesus…entrou na sinagoga e levantou-se para ler: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque Me ungiu, para anunciar a Boa-Nova aos pobres; Enviou-Me a proclamar a libertação aos cativos e, aos cegos, o recobrar da vista; a mandar em liberdade os oprimidos, a proclamar um ano de graça do Senhor.” Começou então a dizer-lhes: “Cumpriu-se hoje esta passagem da escritura que acabais de ouvir”. S. Lucas 4:18‐21

 

 

 

Meditação:

 

Cada um de nós é chamado a ocupar o seu lugar… para alcançar o desenvolvimento na paz e para salvaguardar a própria natureza e o mundo ambiente que nos rodeia… Quereria dirigir-me com simplicidade e humildade a todos, homens e mulheres, sem exceção, para que, convencidos da gravidade do momento presente, cada um se empenhe com responsabilidade individual, - no estilo de vida pessoal e familiar, no uso dos bens, na participação como cidadãos, na contribuição para as decisões económicas e políticas e no próprio empenho nos planos nacionais e internacionais.”6

 

Enquanto que nalguns casos, a danificação possa já ser irreversível, em muitos outros casos ela pode ainda ser travada. É um dever, portanto, que se impõe à inteira família humana - indivíduos, Estados e Organismos internacionais - que cada um assuma seriamente as suas responsabilidades.”7

 

Na família e na escola não pode faltar a educação para o respeito pela vida, pela bondade e pela beleza. Todos os seguidores de Cristo devem examinar os seus modos de vida.”8

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Deus de Justiça, o Teu Filho identificou-se com as alegrias e esperanças, as tristezas e angústias dos Homens do seu tempo. Fortalece-nos, a nós discípulos de Jesus Cristo, para carregarmos a cruz das nossas responsabilidades globais, como percursores da justiça e agentes cuidadores da Tua criação. Ámen.

 

 

 

III ESTAÇÃO JESUS CAI PELA PRIMEIRA VEZ

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Nenhuma terra será vendida definitivamente porque a terra pertence-Me, e vós sois apenas estrangeiros e hóspedes na Minha casa. Portanto concedereis o direito de resgate das terras em todo o país que possuirdes.” Levítico 25:23‐24

 

 

 

Meditação:

 

Uma das maiores injustiças do mundo contemporâneo consiste precisamente nisto: que são relativamente poucos os que possuem muito e muitos os que não possuem quase nada. É a injustiça da má distribuição dos bens e dos serviços originariamente destinados a todos.”9

 

A pobreza rural e a distribuição injusta da terra em muitos países levaram a uma agricultura de mera subsistência e ao empobrecimento dos terrenos. Quando a terra deixa de produzir, muitos agricultores transferem-se para outras zonas, acelerando o processo de desflorestação incontrolada; ou então estabelecem-se em centros urbanos já carentes de estruturas para os receber.”10

 

Sentimo-nos inquietos por ver que hoje o deserto avança e abrange terras que ainda ontem eram prósperas e férteis. Quando não se respeitam os bens da terra, quando se abusa deles, age-se de maneira injusta e até mesmo criminosa, porque as consequências são a miséria e a morte para muitos nossos irmãos e irmãs.”11

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus, quantas vezes Cristo vivo tropeçou e caiu por nossa causa: a cada vez que consentimos com leis injustas. Enquanto forem negados direitos humanos básicos ou mesmo a própria vida, a centenas de milhões de pobres desesperados, a estrutura da criação de Deus começa a colapsar.

 

Fortalece o nosso compromisso batismal, para nos comprometermos a ultrapassar qualquer forma de exploração e opressão. Venha a nós o Vosso reino, Senhor, onde a riqueza será medida pelo que podemos prescindir, e o conforto medido pela nossa aptidão ao sacrifício. Ámen.

 

IV ESTAÇÃO JESUS ENCONTRA SUA MÃE

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Como uma mãe consola o seu filho, assim eu vos consolarei.” Isaías 66: 13

 

 

 

Meditação:

 

 

 

A natureza torna-se, portanto, um evangelho que nos fala de Deus. Mas esta capacidade de contemplação e conhecimento, esta descoberta de uma presença transcendente na criação, deve conduzir-nos também a redescobrir a nossa fraternidade com a terra, à qual estamos ligados desde a criação.”12

 

No contacto com a criação, podemos entender melhor o valor eterno sobre o qual está construída a vida. Estes são, entre outros, valores de beleza e confiança, de simplicidade e amor, de fidelidade e solidariedade.”13

 

Aquele que quiser verdadeiramente, encontrar-se a si mesmo, deve aprender a saborear a natureza, cujo encanto está intimamente vinculado ao silêncio da contemplação. Os ritmos da criação são tantos caminhos de extraordinária beleza, ao longo dos quais, o coração sensível e crente capta facilmente o eco dos mistérios e da mais elevada beleza, que é Deus o Criador, a fonte e a vida de toda a realidade.”14

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus, neste mundo, tantos são forçados a cumprir a via dolorosa de políticas injustas, violência, pobreza e fome. Quando isto acontece, a terra sofre. Como Maria que confortou Jesus, também nós, quando confrontados com as maravilhas e beleza da Tua criação, podemos ser consolados, fortalecidos e confiantes no Teu amor incondicional por nós. Que isso nos crie um sentido de compaixão e solidariedade maior para com os nossos companheiros de vida. Ámen.

 

 

 

 

 

 

 

V ESTAÇÃO SIMÃO DE CIRENE AJUDA JESUS A CARREGAR A CRUZ

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Em verdade vos digo: Sempre que fizestes isto a um destes Meus irmãos mais pequeninos, a Mim mesmo o fizestes.” São Mateus 25:40

 

 

 

Meditação:

 

Existe uma crescente ameaça ao meio ambiente, à vegetação, aos animais, à água e ao ar. A sagrada escritura apresenta-nos a imagem de Caim que não admite a sua responsabilidade: “Sou, porventura, guarda do meu irmão?”. A Bíblia mostra-nos o ser humano como cuidador do seu irmão e guarda da natureza que lhe foi confiada”.15

 

A população do Norte possuí muitos mais recursos humanos e económicos. Deve concretizar-se um sentido de unidade da humanidade.”16

 

Há que examinar o que se oferece como progresso. É preciso estar alerta se quisermos efetivamente defender este planeta e a vida nele. Em relação à proteção ambiental, há muito tempo que as inquietações deixaram de ser apenas para o momento presente, porque também as temos para as gerações futuras. É necessário tirar conclusões dos limites e dos perigos do crescimento. Não devemos fazer tudo o que podemos fazer. Surpreendentemente, a ascese, o domínio de si, a abnegação, voltaram à moda. Estas virtudes são essenciais à sobrevivência do homem.”17

 

 

 

Oremos: Ó Deus de compaixão, ajuda-nos a reconhecer que somos os cuidadores dos nossos irmãos e irmãs. Como Simão de Cirene que ajudou Jesus a carregar a cruz, possamos nós também trabalhar para aliviar o sofrimento daqueles que são esmagados pela cruz pesada da injustiça e da violência, cometidas contra eles e seus companheiros. Ámen.

 

 

 

VI ESTAÇÃO VERÓNICA ENXUGA O ROSTO DE CRISTO

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Os meus ouvidos tinham ouvido falar de Ti, mas, agora, viram-Te os meus próprios olhos, por isso retrato-me e faço penitência no pó e na cinza.” Isaias 66: 13

 

 

 

Meditação:

 

 

 

Hoje, temos uma grande necessidade de reduzir o ritmo, às vezes frenético, dos nossos dias. O contacto com a natureza, com a sua beleza e a sua paz, renova a nossa força e restaura-nos. No entanto, enquanto os olhos apreciam a maravilha do cosmos, é necessário olhar para dentro de nós, para o intimo do nosso coração, para o centro do nosso ser, para nos enfrentarmos com a nossa consciência.”18

 

Não em poucos casos, neste século passado, o homem usou de forma irresponsável recursos naturais.”19

 

Diante do panorama de prados, bosques, ribeiras e picos de montanhas, redescobrimos o desejo de agradecer a Deus pelas maravilhas que operou e desejamos escutar em silêncio, a voz da natureza, para poder transformar a nossa admiração em oração.”20

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus, nós vemos o rosto de Cristo refletido em todos os homens e mulheres de todo o universo criado por Ele e para Ele. E ainda assim o nosso pecado humano e desejos distorcidos mancharam essa imagem divina. Pedimos-Te que nos dês um olhar novo e profundo para vermos o mundo como Tu o vês, que os nossos trabalhos de caridade e justiça, contemplação e santidade pessoal, possam servir para limpar a face de Cristo, ensanguentada e ferida pelo mundo de hoje, para que outros possam ver por si a glória de Deus. Ámen.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VII ESTAÇÃO JESUS CAI PELA SEGUNDA VEZ

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Ai de vós, os que ajuntais casas e mais casas, e que acrescentais campos e mais campos, até que não haja mais terreno, e até que fiqueis os únicos proprietários da terra!” Isaias 5:8

 

 

 

Meditação:

 

 

 

Deus confiou a terra ao Homem “para que a cultivasse e cuidasse”. Quando se esquece este principio e se tornam tiranos em vez de custódios da natureza, mais tarde ou mais cedo a natureza há de se rebelar.”21

 

Há uma tentação de explorar desenfreadamente os recursos da terra, urgidos de conseguir benefícios ilimitados, Segundo a mentalidade capitalista típica das sociedades modernas. E assim, com frequência, o meio ambiente tornou-se uma presa dos interesses de alguns grupos industriais fortes, em detrimento da humanidade no seu conjunto, com o conseguinte dano ao equilíbrio do ecossistema, à saúde dos habitantes e das gerações futuras.”22

 

Estamos profundamente preocupados ao ver que milhões de seres humanos foram reduzidos à indigência e estão a sofrer por causa da fome e de doenças por falta de água potável. De facto, a fome e muitas doenças estão estritamente relacionadas com a seca e a contaminação da água. Em lugares onde a chuva é escassa ou as fontes de água estão a secar, a vida torna-se mais frágil; vai-se apagando até ao ponto de desaparecer. Estamos a incorrer no risco de deixar como herança às gerações futuras, a tragédia da sede e da desflorestação em grandes partes do mundo.” 23

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Senhor, caímos por terra esmagados pela avareza, pelo consumismo galopante e por políticas sem alma. Ajuda-nos a reconhecer-Te nos que carregam o pesado fardo das políticas públicas injustas. Possamos não nos manter à margem da luta por um futuro mais justo e sustentável. Ámen.

 

 

 

 

 

VIII ESTAÇÃO JESUS FALA AS MULHERES DE JERUSALÉM

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Tomo hoje por testemunhas o céu e a terra contra vós: coloco diante de ti a vida e a morte, a felicidade e a maldição. Escolhe a vida e então viverás com toda a tua posteridade.Deuteronómio 30:19

 

 

 

Meditação:

 

O plano divino não deve ser perturbado, correndo-se o risco de provocar consequências catastróficas para o hoje e sobretudo para o amanhã.”24

 

A América depara-se hoje com um tempo de prova. Presentemente, o conflito é entre a cultura que afirma, enaltece, e celebra o dom da vida, e a cultura que procura declarar grupos inteiros de seres humanos – os não-nascidos, os doentes terminais, os inválidos, e outros considerados “inúteis” – a ficar fora dos limites da proteção legal. A minha oração fervorosa, é que, pela graça de Deus, que atua nas vidas de americanos de todas as raças, grupos étnicos, condições económicas e credos, a América resista à cultura da morte e escolha manter-se firme do lado da vida. Escolher a vida implica rejeitar qualquer forma de violência: a violência da pobreza e da fome, que oprime tantos seres humanos; a violência dos conflitos armados… e a violência de danos insensatos ao meio ambiente.”25

 

São meus votos que a inspiração de São Francisco nos ajude a conservar sempre vivo o sentido da “fraternidade” com todas as coisas boas e belas criadas por Deus omnipotente; e nos alerte para o grave dever de respeitá-las e conservá-las com cuidado, no quadro da mais ampla e mais elevada fraternidade humana.”26

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus, podemos lamentar-nos quando vemos Cristo a sofrer no pobre e a abraçar a dor da criação de Deus. No entanto, como as mulheres de Jerusalém, talvez devêssemos chorar pelas nossas crianças que vão carregar o fardo pesado da destruição ambiental. Que as nossas lágrimas de arrependimento purifiquem o nosso olhar e nos fortaleçam para escolhermos a vida, pelos nossos filhos e netos e por todas criaturas de Deus. Ámen.

 

 

 

IX ESTAÇÃO JESUS CAI PELA TERCEIRA VEZ

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Filhos que dizem aos videntes: não vejais, e aos profetas: não nos anuncieis a verdade; dizei-nos antes, coisas enganadoras, profetizai-nos ilusões. Afastai-vos do caminho, retirai-vos da vereda, deixai de colocar diante dos nossos olhos o Santo de Israel.Isaías 30:10-11

 

 

 

Meditação:

 

Confrontados com os graves problemas sociais presentes, de diversas formas, em toda a América, os católicos sabem que podem encontrar na doutrina social da Igreja, uma resposta que serve de ponto de partida na procura de soluções práticas. Divulgar esta doutrina, é uma autêntica prioridade pastoral. Assim, é importante que os agentes evangelizadores na América (bispos, sacerdotes, professores, trabalhadores pastorais, etc.) assumam como seu este tesouro da doutrina social da Igreja, e inspirados por ele, se tornem capazes de interpretar a situação atual e determinar as ações a tomar.”27

 

A falta de interesse na política por parte de tantas pessoas, revela o sentimento de impotência na luta pelo bem.”28

 

A perceção da terra como um dom de Deus para todos, engendra o sentido do dever correspondente em relação aos outros. Pode haver um pecado grave contra o meio ambiente que apela a graves responsabilidades diante de Deus Criador.”29

 

 

 

Oremos Ó Deus que nos dotaste de inteligência, sabedoria e poder. Chamaste-nos para sermos líderes para bem de toda a criação. Contudo, tantas vezes nós, como igreja e como membros da sociedade alargada, falhamos na resposta a essa chamada. Desviamos a atenção da procura da verdade e da justiça para coisas de menos importância, e defraudamos-Te. Perdoa-nos e renova o nosso compromisso conTigo, o Criador, Redentor e Santificador. Ámen.

 

 

 

X ESTAÇÃO JESUS É DESPOJADO DAS SUAS VESTES

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Ele foi desprezado e evitado pelos homens, como homem das dores, experimentado nos sofrimentos; diante do qual se tapa o rosto, menosprezado e desestimado.Isaias 53:3

 

 

 

Meditação:

 

Quanto abuso e destruição em tantas zonas da América! Bastará pensar na emissão incontrolada de gases nocivos ou no fenómeno dramático dos fogos florestais, por vezes ateados propositadamente por pessoas levadas por interesses egoístas. Devastações como estas poderiam levar à desertificação de muitas regiões da América, com as consequências inevitáveis de fome e miséria. Este é um problema especialmente urgente nas florestas da Amazónia, um território imenso que se estende a diferentes países: do Brasil ao Guiana, Suriname, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Esta é uma das zonas naturais mais preciosas devido à sua biodiversidade, o que a torna vital para o equilíbrio ambiental do planeta inteiro.”30

 

Por todo o mundo, vemos os resultados da exploração que destrói muito sem ter em consideração as gerações futuras. Proteger as florestas do mundo; conter a desertificação e a erosão; evitar o alastramento de sustâncias tóxicas prejudiciais para os seres humanos, para os animais e para as plantas; proteger a atmosfera; tudo isto só se pode realizar através de uma cooperação ativa e inteligente, sem fronteiras nem jogos de poder político.”31

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus compassivo, a vida humana e a restante criação são frequentemente, despojadas da integridade, beleza e dignidade com que Tu as dotaste. Isto acontece diante dos nossos olhos e ainda assim não o reconhecemos como parte do Calvário moderno. Como os soldados romanos lançaram sortes sobre as Tuas vestes sem costuras, nós podemos ser cúmplices na tua paixão, quando procuramos algum ganho proveniente da destruição ecológica do próprio tecido da vida no nosso planeta. Toca os nossos corações para podermos reconhecer o mal que fazemos e mudarmos o nosso modo de atuar. Ámen.

 

 

XI ESTAÇÃO JESUS É PREGADO NA CRUZ

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Contemplarão aquele a quem traspassaram: chorarão por ele como se chora um filho único e chorarão como se chora um primogénito.Zacarias 12:10

 

 

 

Meditação:

 

O respeito pela vida e pela dignidade da pessoa humana, também se estende à restante criação, que é chamada a unir-se ao homem no louvor a Deus.”32

 

A Terra não é um reservatório de exploração ilimitada mas parte integrante do mistério da criação. Para assimilarmos esta atitude, precisamos de uma cultura ascética. Não é demasiado tarde para uma conversão radical para que a Terra, como um espaço vital, se torne num jardim e não num deserto.”33

 

Modelos falsos de progresso conduziram a uma ameaça ao equilíbrio ecológico da Terra. O Homem – feito à imagem e semelhança do Criador – é chamado a ser o bom pastor do seu ambiente natural, não o destruidor em que se tornou.”34

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus, cujo perdão é ilimitado, o Teu Filho falou-Te de nós quando clamou, “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que fazem”. O nosso desprezo pela dignidade intrínseca de toda a vida humana, o nosso desinteresse para o destino maravilhoso e sagrado de toda a criação e os nossos modelos equivocados de progresso, estes são os pregos com os quais Te crucificamos hoje na cruz das visões redutoras. Que as nossas lágrimas de arrependimento nos acordem para a Tua presença que perdura e em que todos vivem e se movem, e da qual recebem o seu ser. Ámen.

 

 

 

 

 

XII ESTAÇÃO JESUS MORRE NA CRUZ

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

[Cristo Jesus,] Ele que era de condição divina não reivindicou o direito de ser equiparado a Deus. Mas despojou-se a Si mesmo tomando a condição de servo, tornando-Se semelhante aos homens. Tido pelo aspeto como homem, humilhou-se a Si mesmo, feito obediente até à morte, e morte de cruz.Filipenses 2:6-8

 

 

 

Meditação:

 

A experiência deste “sofrimento” da terra é comum também àqueles que não compartilham a nossa fé em Deus. Estão, efetivamente, diante dos olhos de todos, as devastações crescentes, causadas no mundo da natureza pelo comportamento de homens indiferentes às exigências da ordem e da harmonia que o regem, exigências recônditas sim, mas claramente percetíveis.”35

 

É evidente que uma solução adequada não pode consistir simplesmente numa melhor gestão, ou num uso menos irracional dos recursos da terra. …parece ser necessário examinar a fundo e enfrentar no seu conjunto a grave crise moral de que a degradação do ambiente é um dos aspetos preocupantes.”36

 

Observa-se nos nossos dias uma consciência crescente de que a paz mundial está ameaçada, não apenas pela corrida aos armamentos, pelos conflitos regionais e por causa das injustiças que ainda existem no seio dos povos e entre as nações, mas também pela falta do respeito devido à natureza.”37

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus compassivo, que abarcas e guardas junto ao Teu coração, todo sofrimento humano e fainas terrenas, guarda-nos na Tua misericórdia. Dá-nos a coragem de aceitar a nossa vulnerabilidade e cruzes pessoais. E liberta-nos do medo às mudanças, às quais nos chamas nas nossas vidas, sociedades e instituições. Ámen.

 

 

 

 

 

 

 

XIII ESTAÇÃO JESUS É DESCIDO DA CRUZ

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Porque agradou a Deus que residisse n’Ele toda a plenitude, e por Ele fossem reconciliadas Consigo todas as coisas pacificando, pelo sangue da Sua cruz, tanto as da terra como as do céu.Colossenses 1:19

 

 

 

Meditação:

 

Alguns católicos estão atualmente tentados pelo desencorajamento ou desânimo. São tentados a clamar ao Senhor: porque é que Deus não intervém quando a violência ameaça o seu povo, porque é que Deus nos deixa ver a miséria e a ruína; porque é que Deus permite o mal? A nossa confiança pode fraquejar; podemos perder a paciência com Deus. Nos dramas da história, podemos ver a nossa dependência de Deus, como um fardo e não como uma libertação. Também nós podemos “endurecer os nossos corações”. Queridos irmãos e irmãs em Cristo: a abertura ao Senhor – a disponibilidade para o deixar transformar as nossas vidas – deve produzir uma vitalidade espiritual renovada e missionária entre os católicos. Jesus Cristo é a resposta à pergunta colocada por toda a vida humana.”38

 

A gravidade da situação ecológica revela quanto é profunda a crise moral do homem. Se faltar o sentido do valor da pessoa e da vida humana, dá-se o desinteresse pelos outros e pela terra. A austeridade, a temperança, a disciplina e o espírito de sacrifício devem conformar a vida de todos os dias, a fim de que não se verifique que todos tenham de suportar as consequências negativas da incúria de alguns poucos.”39

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus, que renovas todas as coisas, quando nos sentirmos ultrapassados e desencorajados pelos desafios enormes da crise ecológica, ajuda-nos a agarrarmo-nos à fé, à esperança e ao amor. Fortalece a nossa coragem e utiliza-nos como instrumentos para a reconciliação e para a paz que desejas para a Tua criação inteira. Ámen.

 

 

 

 

 

XIV ESTAÇÃO JESUS É SEPULTADO

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

A criação aguarda ansiosa a revelação dos filhos de Deus; se ela foi submetida à vaidade, - não voluntariamente, mas por causa de quem a submeteu – foi com a esperança de ser, também ela, libertada da servidão da corrupção para participar, livremente, da glória dos filhos de Deus.Romanos 8:19‐21

 

 

 

Meditação:

 

Perante a difusa degradação do ambiente, a humanidade já se vai dando conta de que não se pode continuar a usar os bens da terra como no passado.”40

 

A família humana depara-se com a mudança radical para o uso sábio e responsável dos recursos da terra, respeitando os limites a que estes recursos estão naturalmente sujeitos. Isto é respeitar a vontade do Criador.”41

 

Que vós, cheios do poder do Espírito Santo, possam tornar-se nos construtores do mundo novo: um que seja baseado na verdade, na justiça, na solidariedade e no amor. Os desafios que enfrentamos são enormes. Requerem corações corajosos capazes de uma fé e de uma esperança radicais em Deus (Rom 4.18).”42

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Ó Deus compassivo, a quem nada é impossível, ajuda a Tua Igreja a ser-Te fiel no meio das adversidades. Fortalece-nos para sermos semeadores de justiça, paz e harmonia para toda a criação e sermos profetas de esperança no nosso mundo de hoje. Ámen.

 

 

 

 

 

XV ESTAÇÃO A RESSURREIÇÃO DE JESUS

 

 

 

Ministro: Nós vos adoramos, ó Jesus, e vos bendizemos.

 

Todos: porque pela vossa santa cruz redimistes o mundo.

 

 

 

Escritura:

 

Vi, depois, um novo céu e uma nova terra, porque o primeiro céu e a primeira terra haviam desaparecido, e o mar já não existia. E vi a cidade santa, a nova Jerusalém que descia do céu, de junto de Deus, bela como uma esposa que se ataviou para o seu esposo. E ouvi outra grande voz, que saía do trono e dizia: “Eis aqui o tabernáculo de Deus entre os homens! Habitará com eles, serão o seu povo e o próprio Deus estará com eles. Então o que estava sentado no trono disse: ”Eu renovo todas as coisas.”Apocalipse 21:1‐5

 

 

 

Meditação:

 

Se olharmos ao nosso redor, com um olhar contemplativo, não será difícil discernir um raio da face de Cristo nas belezas da criação. Alegro-me de poder ter testemunhado, em várias ocasiões, o compromisso da Igreja no contexto da ecologia.”43

 

Está assim a formar-se uma consciência ecológica, que não deve ser reprimida, mas antes favorecida, de maneira que se desenvolva e vá amadurecendo até encontrar expressão adequada em programas e iniciativas concretas.”44

 

Nesta harmonia reencontrada com a natureza e consigo próprios, os homens e as mulheres voltam a passear no jardim da criação, procurando fazer com que os bens da terra estejam disponíveis para todos e não só para alguns privilegiados, como sugeria o Jubileu bíblico.”45

 

Vós, com tanta tradição de generosidade espiritual, engenho, simplicidade e sacrifício, não podeis não atender a este chamamento a um novo entusiasmo e a uma renovada determinação. É nesta simplicidade gozosa de uma vida inspirada pelo evangelho, e pela partilha fraterna do espirito evangélico, que encontrareis o melhor remédio às criticas amargas, às dúvidas paralisantes e à tentação de colocar o dinheiro como o meio principal e até mesmo como a medida do progresso humano.”46

 

 

 

 

 

 

 

Oremos: Nós Te louvamos, ó Deus poderoso, e Te damos graças, porque Jesus Cristo ressuscitou verdadeiramente. Concede-nos frutificar os dons que recebemos, conscientes que não nos destes “um espírito de timidez, mas de fortaleza, amor e sabedoria” (2 Timóteo 1:7). Que possamos, como corpo de Cristo, assumir a Sua missão a curar e a santificar este mundo, de modo que “Deus seja tudo em todos” (1 Corintios 15:28). Ámen.

 

 

 

 

 

 

 

Esta via-sacra foi preparada por: Fr. Jacek Orzechowski, OFM. As citações foram retiradas do manuscrito: A Crise Ecológica é uma Crise Moral: Papa João Paulo II sobre a responsabilidade ambiental.

 

 

 

Um agradecimento especial a Frederick W. Krueger, quem compilou e editou o manuscrito de 140 páginas, que contem toda a amplitude das citações de S. João Paulo II sobre o imperativo moral e espiritual da conversão ecológica.

 

 

 

Christy Elliott da Rede de Ação Franciscana colaborou nesta via sacra na edição e com muito útil aconselhamento.

 

1 Homilia, Vaticano, 17 de janeiro de 2001.

 

2 Angelus, Vaticano, 24 de março de 1996.

 

3 Audiência Geral, 17 de janeiro de 2001.

 

4 Encíclica “Centesimus Annus”, 1981.

 

5 Audiência Geral, 17 de janeiro de 2001.

 

6 Encíclica: “Sollicitudo rei socialis”. 

 

7 Mensagem para o dia mundial da paz, 1 de janeiro de 1990.

 

8 Homília em Zamość, Polónia, 12 de junho de 1999.

 

9 Encíclica: “Sollicitudo rei socialis”. 

 

10 Mensagem para o dia mundial da paz, 1 de janeiro de 1990.

 

11 Mensagem para a Quaresma de 1993, “Aqueles que têm sede, nos desertos crescentes do mundo”.

 

12 Audiência Geral, 26 de janeiro de 2000

 

13 Comentários na apresentação do Prémio Ambiental Franciscano na Costa Rica, 1991

 

14 Comentários durante a visita às Montanhas Dolomitas, 11 de julho de 1991

 

15 Discurso aos educadores de ciências, artes e jornalismo, na cidade de Salzburgo, 26 de junho de 1988.

 

16 Visita a Ouagagougou, Burkina Faso, maio de 1980.

 

17 Homilia na oração da manhã, Kevelaer, Alemanha, 2 de maio de 1987.

 

18 Ângelus nas Montanhas dos Apeninos, Itália, 1993.

 

19 Discurso a um grupo de jovens em Viterbo, Itália, 27 de maio de 1984.

 

20 Homilia na cidade alpina Val Visdende, 12 de julho de 1987.

 

21 Homília em Roma, proferida a milhares de agricultores, 12 de novembro de 2000.

 

22 Discurso numa convenção sobre o meio ambiente e a saúde, na universidade católica do Sagrado Coração, 24 de março de 1997.

 

23 Mensagem para a Quaresma de 1993, “Aqueles que têm sede, nos desertos crescentes do mundo”.

 

24 Discurso a um grupo de jovens em Viterbo, Itália, 27 de maio de 1984.

 

25 Homília em S. Louis, Missouri, 17 de janeiro de 1999.

 

26 Mensagem para o dia mundial da paz, 1 de janeiro de 1990.

 

27 Ecclesia na América, 26 de janeiro de 1999.

 

28 Homilia no Dia Mundial de la Juventude, Czestochowa, 15 de agosto de 1991.

 

29 Homília em Zamość, Polónia, 12 de junho de 1999.

 

30 Ecclesia en América, 26 de janeiro de 1999.

 

31 Conferência de imprensa em Antananarivo, Madagáscar, abril de 1989.

 

32 Mensagem para o dia mundial da paz, 1 de janeiro de 1990.

 

33 Discurso aos educadores de ciências, artes e jornalismo, na cidade de Salzburgo, 26 de junho de 1988.

 

34 Homilia no Dia Mundial da Juventude, Denver, Colorado, 14 de agosto de 1993.

 

35 Mensagem para o dia mundial da paz, 1 de janeiro de 1990.

 

36 Ibid.

 

37 Ibid.

 

38 Homilia no Parque Oriole, Camden Yard, Baltimore, M.D., 8 de outubro de 1995.

 

39 Mensagem para o dia mundial da paz, 1 de janeiro de 1990.

 

40 Mensagem para o dia mundial da paz, 1 de janeiro de 1990.

 

41 Homilia, Islândia, 4 de junho de 1989.

 

42  Dia Mundial da Juventude, Czestochowa, 15 de agosto de 1991.

 

43  Discurso aos Cardeais e à Curia Romana. Uma declaração conjunta com o Patriarca Bartolomeu, 21 de Dezembro de 2002. 

 

44 Mensagem para o dia mundial da paz, 1 de janeiro de 1990.

 

45 Audiência Geral, 17 de janeiro de 2001.

 

46  Homilia, Yankee Stadium, Nova Iorque, 2 de outubro de 1979.